quinta-feira, 5 de julho de 2012

O Flagelo do Medo


"O medo é o caminho para o Lado Negro. 
O medo leva a raiva, a raiva leva ao ódio, o ódio leva ao sofrimento." 
Mestre Yoda, Stars Wars


O medo é o filho da dúvida e o pai do sofrimento. Quanto mais reflito sobre a Vida mais percebo como a maioria dos nossos erros são cometido em um estado influenciado pelo medo.
O medo da perda talvez seja o principal, embora saibamos que a Vida segue seu fluxo em ciclos de nascimento, crescimento e morte, não preparamos nossa consciência para a última fase do ciclo. Tudo o que achamos possuir não é nosso de verdade. As pessoas principalmente não nos pertecem, nem nossos pais, nem nossos filhos, nem nossos amantes. Todos eles são pássaros frágeis, cujo canto por mais belo que seja, um dia se silenciará pela morte ou pela distância.
O medo da perda geralmente provém do medo da solidão. É fato que o homem, enquanto ser social, necessita da vida em comunidade. Mas o homem, enquanto ser espiritual, consegue abrir sua consciencia a ponto de perceber que não estamos a sós, nunca. O céu azul - lar dos anjos - sobre nossas cabeças, a terra abençoada - os ossos e o sangue de nossos antepassados - sob nossos pés, todos eles nos conectam uns aos outros, estamos ligados ao Todo. O medo da solidão é a falta deste sentimento de ligação.
Não há outro remédio para o medo que não seja a fé. Fé Não é "acreditar" como comumente se pensa, pois o crer traz consigo uma descrença inerente. Fé é saber intimamente, é a sabedoria que vem do nosso Espírito, Genius, Daimon. É a certeza que emerge do âmago de nosso ser e que irradia Luz para nossa consciencia física flagelada pelas dúvidas, pelas correntes de pensamentos inferiores de medo. 
O remédio para o medo é aceitar que não podemos controlar tudo aquilo que livre deve ser, que a Vida possui seus ciclos, que tudo o que chega, um dia, deve partir.

0 comentários:

Postar um comentário