quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Andarilhos e Peregrinos

O que sou? Um devoto de deuses mais antigos que o tempo através de uma ritualística pessoal - herege e livre de poderes seculares. Aquele que chama espíritos no limiar da meia-noite. Que conjura a maldição, a justiça e a fúria de vingança mais infernal sobre um inimigo e a benção, a proteção e a sorte mais resplandecente a um irmão. Aquele que roga às estrelas sob o manto da noite. Aquele que conversa com as plantas e pede emprestadas as suas virtudes. Aquele que quando fecha os olhos, acorda. Aquele que forja a sua própria realidade pelos mais luxuriosos desejos e pelas mais sublimes vontades. Que traça sigilos no ar e ouve a Voz do vento. Sou bruxo. Mas que bruxo  sou eu?
Um andarilho, pois eis que não ando pelos caminhos tortuosos guiado pela Luz do Chifre de um Mestre. Caminho tateando pela escuridão sendo guiado pela Luz das estrelas tão somente e muitas vezes, infelizmente, nem percebo que já estou num outro caminho.
Um andarilho, pois eis que não tive a honra de herdar uma Tradição, não possuo uma bússola diante dos muitos rumos que a jornada pode tomar e a Palavra não me livra da Mentira. 
Um andarilho, pois minha herança perdeu-se no tempo e a Tradição é senão uma sombra, uma esperança, um tesouro a ser descoberto e sem rumo vagueio pela estrada. Possuo apenas minha alma e sua sabedoria ancestral de muitas vidas para ligar os elos rompidos.
Um andarilho, pois eis que não recebi litania de como conjurar e adorar Os Poderosos. Nem mesmo sei a certo Quem eles são. Seus nomes secretos, seus sacrifícios prediletos, seus domínios, suas Virtudes. Mas possuo um genius, um daimon, que sutilmente sussurra em meu ouvido instruções estranhas e mitologias proibidas.
Um andarilho, pois eis que não tenho irmãos juramentados com os quais poderia de seus conhecimentos compartilhar do mesmo cálice e beber o Elixir de suas experiências. Mas tenho livros e escritos, cálices vazios que tentam, pela forma, instruir sobre o conteúdo secreto que poderiam conter, mas que não o podem por este meio limitado.
Um andarilho, apenas um andarilho, vivendo sob o véu de uma profecia a se realizar...

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Reflexões Sobre Unicidade

Um antigo grego sabia que toda sua vida e dos próprios deuses estava nas mãos das Moiras, assim com o um germânico também sabia que as suas estavam nas mãos das Norns e nas tradições populares britânicas se pedia a intercessão das Três Damas para interferir no Destino.
Lúcifer na tradição católica fora punido por ter-se rebelado  contra Deus. A Serpente deu o Conhecimento à humanidade. Prometeu foi punido por ter-se rebelado contra Zeus. Prometeu deu o Fogo à humanidade. Eva e Pandora compartilham de uma culpa e curiosidade semelhantes. O Diabo, Hermes e Loki compartilham igualmente do mesmo gênio ladino. Sigurd e São Jorge ambos tiveram que derrotar um dragão.
Deus mandou um filho à Terra que se sacrificou assim como inúmeros outros deuses pagãos sacrificados existiram antes. Maria foi uma  Virgem como tantas Virgens de outrora. 
No altar o vinho se torna o sangue do Cordeiro assim como nos tempos antigos o vinho era a Essência de Dionísio. No altar a hóstia se torna o corpo do Cordeiro assim como nos tempos antigos os cereais eram o corpo da deusa Deméter.

O que há por trás destas semelhanças? Meras cópias e plágios não iriam muito longe assim como não há mentiras que fiquem de pé diante da Mão do Tempo.
Elas se perpetuam porque há algo mais profundo que as sustentam. Existem ecos que se reverberam, ecos de uma Verdade Primeira e Pura posteriormente representada, travestida, expressada e até mesmo corrompida pelas doutrinas, pelos símbolos, pelos ícones, pelos objetos e pelos mitos e ritos.
O que jaz na raiz de todas essas máscaras e velamentos? A pergunta contém sua própria resposta.

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

Um Breve Chamado a Nix



"Salve Nix
Grande Deusa do Cosmos
Rainha das Galaxias
A Primeira Nascida
Do Caos originada
De Ti todas as coisas vieram
E pra Ti elas hão de retornar
Abraça-me com Tuas negras asas
Ensine-me os segredos das Estrelas
Expanda minha consciência
Para o Universo sem fronteiras"

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

A Arte do Silêncio


Cada vez mais creio que na vida seja fundamental aprender a não dizer o que não precisa ser dito...
... E na Arte não poderia ser diferente. Demorou muito tempo, mas finalmente compreendi o paradigma do silêncio e do segredo.
Pensava que não havia problemas contar sobre os feitiços que fazia. Que não havia problema em contar sobre meus espíritos animais e familiares e guias. Sobre os Deuses e Espíritos que honrava e trabalhava. Sobre os Mistérios que descobria. Quanta ingenuidade...
...Conhecimento é poder - todos sabem disso. E ele pode ser profanado quando ouvido por almas inferiores e mal interpretado quando por almas ignorantes. Além disso, conhecimento pode ser poder sobre/contra você mesmo. 
O mais engraçado, no final das contas, é que a Natureza não faz absoluta questão de manter segredo sobre seus Mistérios... Aqueles que tenham olhos e ouvidos que vejam e ouçam.
See Who Whispers, Dale Whiterow