quinta-feira, 31 de março de 2011

O Espírito da Bruxaria

Nas últimas décadas a bruxaria e o paganismo ganhou popularidade, então é como se de repente tudo fosse bruxaria; se são crenças pré-cristãs então é bruxaria; se evocam-se deuses e fazem uma magia, então é bruxaria; alguém fez um feitiço ou uma simpatia esporádica, então é bruxaria. 
As pessoas esqueceram ou nunca aprenderam o que verdadeiramente é bruxaria, que o  espírito da bruxaria é a Liberdade, liberdade esta que vem da Marginalização. São aqueles caminhos muitas vezes trilhados à sombra da sociedade, das religiões e dos conceitos vigentes que até podem se aproximar do mainstream, mas nunca se fundirá com o mesmo. Bruxaria não é reconstrucionismo. Bruxaria não são crenças e práticas institucionalizadas.
Cada expressão espiritual possui seu próprio caminho para nos aproximar dos Poderes Que São e o da bruxaria é o caminho do êxtase da carne e do espírito, são os caminhos dionisíacos, afrodisíacos, hecatianianos, da paixão, das bacantes, da marginalização; de Circe e seu reinado majestoso em seu próprio mundo; de Morgana desafiando os poderes estabelecidos e até mesmo sua Mestra para buscar seu amor, seu lugar no mundo, seu direito à sua própria vida; de Pã, sua flauta selvagem e seu cortejo de ninfas e sátiros - embora uma Bruxa preze pelo seu legado e honre aqueles que percorreram o Caminho antes, ainda assim ela busca por seu próprio locus. Ela é como o louco do Tarot, sempre sem rumo, sempre em casa.
Os caminhos apolíneos, retos, racionais e institucionalizados definitivamente não combinam com o caminho de uma Bruxa, pois ela é o Espírito da Revolução, a substancia exógena que faz um meio reagir; seus ritos, sua devoção e seu amor deixam impressões únicas na Mente Coletiva transformando a própria sociedade pelo poder de sua simples existência e de  seu Ofício. Ela é o Espírito Iluminado que não deixa a Liberdade morrer, que não sucumbe a maioria simplesmente porque honra sua individualidade. Remetendo Rae Beth, seremos sempre os estranhos, os indesejáveis - vistos muitas vezes como os malditos - condenados a viver sempre com um pé no mundo dos homens e outro no mundo das Fadas, porque as pessoas não entendem a Beleza de nosso caminho e não aceitam que lhes mostramos que elas não precisam ficar atadas aos grilhões da sociedade e religião por toda a vida, não precisam viver à sombra de verdades reveladas, de códigos morais e religiosos forjados por uma minoria e aceitos como universais. Não vivemos na sombra da Luz e tampouco na luminescência das Trevas, mas sim na totalidade, nos tons cinzentos, metálicos, pasteis, no Arco de Iris, a Mensageira. Uma bruxa é uma estrela, ela emite luz própria e nunca será um reflexo de outros corpos. Uma bruxa muitas vezes parecerá contraditória, paradoxa e caótica vivendo ao mesmo tempo sobre valores opostos, e não me admira que as pessoas não consigam entender, pois vivem por paradigmas retilíneos e não circulares de onde a bruxa retira sua inspiração e poder.
Por estes motivos que há toda uma miríade de práticas e crenças que podem ser abrigadas sob o termo Bruxaria o que faz com que uma bruxa certamente possa ser a porta-voz de seu caminho ou até mesmo de sua tradição, mas jamais será porta-voz da bruxaria como um todo, pois ela não lhe pertence. É muito pedir para que preservem a verdadeira base da Bruxaria? Que não institucionalizem, racionalizem, regulem, coloquem diretrizes, rotulem, imponham uma sela num caminho que é nada além de um Cavalo Selvagem sem nenhum Senhor. 

quarta-feira, 23 de março de 2011

Augúrios: Adivinhação pela Natureza

Talvez o oráculo mais idiossincrático de uma bruxa seja os augúrios. Faz parte da bruxaria a interpretação deles, e, infelizmente, é um dos oráculos mais desprezados.
De uma maneira geral podemos a definir um augúrio como a leitura e interpretação de sinais naturais como o aparecimento e comportamento de determinados animais, observação de fenômenos meteorológicos (chuva, nuvens, trovão)e etc., a fim de antever o futuro.  

Na mitologia grega, Calcante, adivinho de Micenas agraciado pelo dom da profecia concedido por Apolo, era capaz de interpretar o futuro pelo vôo dos pássaros. Antigos sacerdotes romanos denominados áugures eram muito estimados pelo povo e, por seu enorme prestígio, tinham autoridades garantidas por lei na aplicação de castigos contra quem lhes desrespeitassem. Os áugures exerciam comumente uma prática denominada hepatoscopia, a famosa adivinhação pelo exame das entranhas e das vísceras dos animais.

O mais importante em se saber sobre os augúrios é que eles são pessoais, pois cada pessoa tem uma linguagem própria e um conjunto de significados igualmente próprios - parecido com as interpretações dos sonhos segundo a psicologia. Conheço uma pessoa, por exemplo, que tem um augúrio interessantíssimo envolvendo corujas; enquanto elas são um símbolo universal de sabedoria, para ela elas significam morte e realmente, quando uma coruja pousa sobre o telhado de sua casa e canta de uma maneira específica (que só ela parece reconhecer) logo chega-lhe notícias fúnebres sobre pessoas estimadas.
Um augúrio muito significativo para mim é cruzar com borboletas negras, pois já sei que em breve receberei notícias ruins.

O coração do augúrio é a conexão do bruxo com os eventos naturais até chegar ao ponto no qual ela - a natureza - fala com o ele e ele entende os ciclos que pelos quais está passando ou irá passar através de seus reflexos no mundo natural. E aqui deve ser desfeito um eventual conceito que pode passar pela cabeça das pessoas – que perdura desde a Idade Média - de que animais nos trazem infortúnios. Isso é um absurdo sem tamanho; na natureza não existem aleatoriedades, dentro da grande teia de energia que permeia o universo tudo vibra em perfeita ordem então não são os animais que nos trazem acontecimentos ruins ou bons, mas eles são atraídos pela eminência destes através da energia que os precede - por isso eu achava um absurdo quando minha mãe praguejava contras as corujas e tentava expulsá-las a todo custo.

O talento de ler augúrios é um talento natural de uma bruxa, ele parece simplesmente acontecer e surgir em nossos caminhos, de acordo com o próprio temperamento da bruxa. Não é algo como o tarot ou runas que, embora necessite de intuição desenvolvida para uma leitura com mais segurança, se baseia num conjunto de símbolos comuns e em linguagens fixas possibilitando leituras satisfatórias apenas com o domínio básico destas linguagens. Como já dito anteriormente, os augúrios não possuem uma linguagem universal variando de bruxo para bruxo, abrir-se para a natureza e ficar atento às sutilezas da vida e do ambiente que nos cerca pode ser um caminho para dominarmos este oráculo tão especial.

segunda-feira, 21 de março de 2011

Quem Eu Sou

Atualizado 03 de maio de 2012


Encontrei este questionário no blog The Witch Forest Grove e ela está circulando pela blogosfera bruxesca internacional como uma corrente, para que os bruxos blogueiros possam conhecer um pouco do caminho um do outro, então aqui estou eu fazendo parte (apenas dei uma leve adaptada no original):


©Stephanie Pui-Mun Law
B Á S I  C O

Você possui um nome mágico/pagão?
Somente um nome pagão para uso na comunidade: Asterion

Como você achou o paganismo?
No colegial, lendo o romance As Brumas de Avalon. Mas sempre gostei de mitologia (grega, principalmente) e já estudava ocultismo e tradições orientais. 

Mas Atualmente me considero mais como meso-pagão.
 
Quanto tempo você pratica?
Meia década.

Você está fora do Armário de Vassouras?
Não oficialmente.

Praticante solitário ou em grupo?
Solitário por falta de opções.

Qual o seu caminho?
Bruxaria simples com uma pitada de paganismo mediterrâneo e um pouco da estrutura paradigmática/ritual wiccana.


D I V I N D A D E

Qual sua variação de deísmo?
Monismo, emanacionismo (com ressalvas), duoteísmo, politeísmo, panteísmo, animismo - necessariamente nessa ordem. Num certo modo (e igualmente com ressalvas) também sou agnóstico pois creio que ninguém nunca compreenderá verdadeiramente a realidade divina- não de uma maneira universal e definitiva.

Qual é o seu Deus patrono?
...

Qual é sua Deusa patrona?
...

Quais deuses você cultua?
Os Mediterrâneos e do Oriente Próximo

Você teme os aspectos sombrios dos Deuses/as, ou respeita-os?
Me fascinam.

Você cultua o Deus Cristão (ou Judaico ou Islâmico)?
Não.

Você cultua animais? Ou plantas?
Não.


N A T U R E Z A


Você comunga regularmente com a natureza?
Todo ato de viver conscientemente é uma comunhão com a natureza. Tomar o banho diário é uma comunhão. Olhar a chuva cair é uma comunhão. Observar um animal é uma comunhão... Tudo que não for automático é comunhão.

Costuma ir a acampamentos ou viagens para se harmonizar com a natureza?
Não vejo necessidade uma vez que meu quintal possui uma natureza exuberante para isso.

Descreva o momento que você se sente mais próximo da Natureza.
Quando o tempo está nublado eu sinto melhor a interconexão de todas as coisas. Quando está ventando também sinto melhor esta integração de uma maneira intensa.

Você possui um familiar?
Não.

Você já chamou pelo poder de um animal em algum ritual?
Sim.

Ou planta?
Sim.

Você abraça árvores?
Não, mas toco suas folhas enquanto converso com elas.

Dá presentes a elas?
Não.

Qual é suas plantas favoritas de trabalho?
Cravo, canela, rosa, baunilha, jasmim e cedro.


R O D A  D O  A N O

Qual seu feriado favorito?
Os equinócios.

Qual o seu feriado menos favorito?
...

Você já conduziu um ritual num Dia Sagrado?
Não.

Sempre tira um dia para celebrar um feriado Pagão?
Não.

Você segue os feriados de acordo com que hemisfério?
Sul.

Alguma vez já sentiu que o Véu estava fino?
Sim, várias vezes, principalmente na leitura de oráculos e no entardecer dos dias.

Como você costuma celebrar os feriados Pagãos?
Com meditações, oferendas, orações e reflexão.


D I V I N A Ç Ã O

Você usa tarot?
Sim.

Você usa runas?
Não para divinação.

Usa pêndulo?
Não.

Usa astrologia?
Quando estou disposto a fazê-lo.

Alguma outra forma de divinação?
I Ching e augúrios (principalmente pelo aparecimento ou visão de determinados animais)



FE I T I Ç O S

Qual foi o primeiro feitiço que você fez?
Um feitiço do vento para quebra de maldições orais.

Qual foi o último?
Um manu cornuto para sorte.

Já fez um feitiço de amor?
Sim.

Um  feitiço para trabalho?
Sim.

Um feitiço de cura?
Não.

Qual foi o feitiço mais poderoso que você já realizou?
Feitiço de cordas.

Quais deidades você geralmente chama?
...


C R I P T O Z O O L O G I A

Acredita em vampiros?
Não nas formas cinematográficas. Espíritos na forma de succubi e incubi provavelmente - vampiros energéticos. Astralmente talvez exista vampiros nos “moldes clássicos”.

Lobisomens?
Talvez. Mas possivelmente em formas astrais de magistas transfigurados ou criaturas astrais independentes.

Metamorfos?
Não muito.

Efos?
Como criaturas astrais ligadas a natureza e os seus reinos específicos.

Fadas?
Idem.

Dragões?
Como criaturas astrais de uma dimensão específica.

Ninfas?
Idem a elfos.

Duendes?
Idem.

Sereias?
Idem.

Sátiros?
Idem.

Já "viu" um destes acima?
Sim, mas não distingui se era um dragão ou um gárgula.

Já usou algum deles na magia?
Sim, pedindo ajuda ou empréstimos de poderes assim como fazemos com divindades.

Você possui um deles como um guardião pessoal?
Não creio.


M I S C E L Â N I A

Você vê um coelho, um homem ou uma mulher na lua?
Vejo crateras, srsr.

Possui um gato?
Sim.

Quando você medita, você se foca em que?
Geralmente no meu Templo Astral.

Você trabalha com chakras?
Os chamo de centro de energia.

Acredita em vidas passadas?
Veementemente.

Se sim, descreva um pouco de suas crenças a respeito.
Pegue o Kardecismo e tente retirar a base, moral e ideologia cristã. É um bom começo.

Acredita em almas gêmeas?
Não, mas creio em espíritos Destinados.

Você possui um guia espiritual?
Sim.

É sempre amor e luz?
Definitivamente não.


“Quem precisa do sol, quando a chuva é tão cheia de vida?
Quem precisa de um sorriso, quando uma lágrima é tão cheia de amor?”

Sanctuary, Madonna.