sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

A Era das Fogueiras, pt. 1

"Era das Fogueiras" é o nome que wiccannianos e bruxos atuais dão ao período históricamente denominado por Caça às Bruxas (with-hunt) , erroneamente confundida com a Inquisição per se. O nome é uma maneira de honrar as vítimas deste massacre.

Muito se especula sobre este triste evento da história da bruxaria, e o nome aparece com profusão em escritos e livros da Arte, mas o que salta aos olhos é o quão as informações (curtas e superficiais) sobre o tema se apresentam de forma tendenciosa e equivocada, faltando-lhe embasamento histórico e coerência contextual. Diante de tal realidade, Jenny Gibbons, uma escrupulosa historiadora e estudiosa sobre Bruxaria, os Celtas e assuntos esotéricos, foi além da superfície, indo diretamente a fonte para nos ajudar a entender o que é fato e o que é ficção no que tange a conversão Cristã da Europa Ocidental, magia medieval e a Era das Fogueiras:

Questões Comuns sobre a Era das Fogueiras*

1.O que é a “Era das Fogueiras”?
A “Era das Fogueiras” é um período no final da Idade Média e no começo da Era Moderna quando Bruxas foram ferozmente perseguidas por toda a Europa. O termo apareceu primeiramente nos escritos de Bruxas do século 20. Historiadores geralmente se referem a Era das Fogueiras como "A Grande Caça Européia às Bruxas" ou "A histeria das Bruxas da Europa"

2.O que é uma Bruxa?
Hoje, Bruxaria é uma religião orientada à natureza. Historicamente, a palavra "Bruxa" simplesmente se referia a alguém com poderes mágicos. Qualquer usuário de magia podia ser chamado de Bruxa independente de sua religião. Havia Bruxas Católicas, Bruxas Protestantes, e Bruxas Pagãs - e Bruxas que não se encaixavam nestes buracos-de-pombo!
Infelizmente, historiadores usam a palavra "Bruxa" um pouco diferente do que a maioria das pessoas a usam. Quando historiadores falam sobre Bruxas, eles geralmente querem dizer "criminosos mágicos" (pessoas acusadas de usarem magias prejudiciais) ou Diabolistas (pessoas acusadas de cultuar o Diabo Cristão).
Bruxas "brancas" ao contrário, são simplesmente chamadas de "simples feiticeiras".
As diferenças entre os significados comuns e acadêmicos de "Bruxa" cria uma grande quantidade de confusão. Livros de história sobre Bruxaria apenas fornecem metade da estória: eles te falam como era a vida para Bruxas que eram acusadas de feitiçaria diabólica ou criminal. Eles não te falam como era a vida para o curador, adivinho, mulher sábia, médico de fadas, curandeiro - porque muitos dos historiadores modernos não consideram estas pessoas Bruxas "reais". Leitores erroneamente assumem que todas as Bruxas se deparam com os tipos de perseguição e horror mostrado nos julgamentos de Bruxaria.

3.Quando foi o Era das Fogueiras
De 1300 a 1800 [e.c]. Alguns historiadores estudam apenas o apogeu dos julgamentos (1550-1650), a época quando a histeria e o pânico varreram a Europa. Muitos, no entanto, começam o seu estudo no século 14, quando Cristãos primeiro designaram Bruxaria como heresia.
Antes de 1300, julgamentos de Bruxas eram raros. O único tipo de Bruxaria punida severamente na Idade Média era a magia prejudicial. Medievais focavam no que você fazia com sua magia. Para eles, realmente não importava se você matou alguém com um feitiço ou espada. De qualquer modo, você era um assassino. Tudo isto mudou no século 14 quando teólogos Cristãos começaram a demonizar a Bruxaria, insistindo que não havia este negócio de Bruxa neutra ou não-herética. Sob estas novas teorias Bruxas eram simplesmente pessoas com poderes incomuns: elas eram Satanistas que venderam sua alma para o Demônio em troca de um poder terreno.
Em pior situação, lá pelo século 15 alguns estudiosos Cristãos teorizaram que Bruxas pertenciam a uma enorme conspiração Satânica. Durante a Idade Média, Cristãos pensaram que as Bruxas trabalhavam sozinhas ou em pequenos grupos isolados. Bruxas eram “equivocadas” vítimas de “superstições Pagãs”, mas elas eram particularmente perigosas. No início do período moderno, no entanto, intelectuais Cristãos teorizaram que todas as bruxas trabalhavam em conjunto, que elas eram uma sanguinária conspiração organizada - os inimigos mortais do Cristianismo. O medo desta não-existente conspiração cresceu devagar ao longo dos próximos 150 anos, e o número de julgamentos de Bruxas aumentaram gradualmente durante os séculos 14 e 15.
Mas o ápice da perseguição veio com a Reforma do século 16. O aumento da corrupção da Igreja irritou muitos Cristãos, e eventualmente manifestantes ("chamados Protestantes") apartaram da Igreja Católica e formaram suas próprias igrejas. Esta divisão, chamada de Reforma, engatilhou um século de intenso estado de guerra e perseguição.
Por razões que não compreendemos inteiramente, a Reforma causou um intenso números de julgamentos de Bruxas como um foguete. Antes da Reforma, havia um par de julgamentos maciços, mas os julgamentos tenderam por ser pequenos e isolados. Durante a Reforma, um enorme pânico (histeria das bruxas) varre a maior parte das nações européias. Perseguições foram piores entre 1550-1650. E abrandaram de 1650 a 1700 e caiu para um respingo no século 18 (na maior parte dos países, de algum modo). A última Bruxa européia foi executada em 1793.

4.Onde a Era das Fogueiras ocorreram?
Por toda a Europa e nas colônias britânicas da América. A perseguição foi mais intensa na Europa central, e geralmente ficava mais branda à medida que você viajava pra fora desta área.
A pior Caça às Bruxas ocorreu na Alemanha, Suíça, França, Escócia e (talvez) Polônia. Milhares de Bruxas foram mortas em cada um destes países. Na Alemanha foi o maior impacto. Aproximadamente metade de todas as Bruxas mortas na Era das Fogueiras eram alemãs - uma estimativa de 25.000 pessoas tem-se dito.
Uma Caça às Bruxas moderada ocorreu na Inglaterra, Itália, Espanha, Hungria, Dinamarca, Noruega, Suécia e Finlândia. Em todos estes países, centenas de Bruxas morreram. Portugal, Irlanda, Islândia, os Países Bálticos, Rússia e América queimaram menos que 100 bruxas cada.
[...]

5. Quantas Bruxas morreram na Era das Fogueiras?
Provavelmente entre 40.000 e 60.000. Alguns estudiosos estimam que até 100.000 pessoas possam ter morrido, mas isso é muito elevado à medida que atuais estimativas atuais ocorrem.
As primeiras estimativas eram muito altas. Quando tínhamos uma pequena informação sobre os julgamentos das Bruxas, estudiosos costumavam achar que centenas de milhares de Bruxas foram mortas. Entretanto, entre 1977 e 1981 um fluxo de novas informações tornou-se disponível. Por causa delas, as estimativas dos estudiosos caíram de centenas de milhares para dezenas de milhares. [...]
Infelizmente, muitos escritores populares não estão cientes desta nova informação. Eles se agarram  números mais velhos e sensacionalistas, não percebem quão pouca evidência há para suportá-los. Como resultado, há uma tonelada de informações errôneas disponíveis e você irá ouvir estimativas descontroladamente irreais sobre o número de mortes da Era das Fogueiras. Mas novamente, especialistas geralmente concordam que o número de mortes caiu pra entre 40.000 e 60.000; poucos conjeturam que até 100.000 morreram.

6. Quem era acusado de Bruxaria?
Qualquer um podia ser acusado de Bruxaria. Nem mesmo o Papa estava seguro - Bonifácio VIII foi acusado em 1303. Entretanto havia algumas poucas generalizações que podemos fazer sobre a Bruxa “padrão”.
A maioria das Bruxas foram mulheres. Mulheres compunham aproximadamente 80% das acusações, embora isto tenha variado dramaticamente em diferentes épocas e lugares. Homens eram mais comuns nos primeiros julgamentos, compreendendo um terço daquelas [pessoas] acusadas antes de 1500. Alguns países nórdicos mataram tanto homens quanto mulheres, ou mais. Na Islândia, por exemplo, 95% das Bruxas mortas foram homens. Mas os centros das perseguições mataram de longe mais mulheres que homens, algumas vezes cerca de 20 mulheres para cada homem.
Acusadas de serem Bruxas vinham de todas as religiões. A maioria parecem ter sido Cristãs, um pequeno número eram Pagãs ou Cristo-pagãs. As bruxas foram principalmente pessoas pobres. No entanto, alguns países permitiam um caçador de Bruxa a confiscar a propriedade de sua vítima, nestas áreas Bruxas ricas não eram incomuns. Um número significante de Bruxas eram curadoras ou parteiras. Porcentagens variam, mas na maior parte das áreas, de 20% a 30% das pessoas acusadas de Bruxaria ou curavam ou usavam algum tipo de magia. Pessoas idosas, mulheres solteiras e viúvas eram atacadas com maior frequência.
Por que eram as Bruxas de tipos tão diversos? Por que não conseguimos apontar uma característica que todas as bruxas em todos os lugares dividiriam [em comum]? Porque os Caçadores de Bruxas não estavam perseguindo um grupo real de pessoas. Europeus acreditaram que eles estavam sendo ameaçados por uma conspiração Satânica. Não havia conspiração alguma, então não havia conspiradores reais para eles molestarem. Pelo contrário, eles laçavam qualquer um que apresentasse a menor semelhança com o estereótipo Satanista deles.
Satã garantia a seus seguidores poderes mágicos e grandes conhecimentos - então viúvas, magistas, adivinhos, curandeiros e intelectuais eram acusados. Satã era o pai da heresia - então Pagãos, Cristo-Pagãos e Cristãos heréticos eram acusados. Satã encorajava qualquer mal, especialmente os sexuais - então gays,  mulheres independentes sexuais, criminosos, mulheres bonitas e "livres" caiam sob suspeita. Todo sofrimento e feiúra eram do Demônio, o que fazia dos velhos, agonizantes e deficientes suspeitos.


*Traduzido por Nion de “Common Questions about the Burning Times” escrito por Jenny Gibbons in: Hall of Remembrance, Summerlands.com

0 comentários:

Postar um comentário