segunda-feira, 21 de junho de 2010

Os Mistérios e a Magia dos Perfumes




A história do perfume começou quando o homem primitivo aprendeu a fazer o fogo e descobriu que certas plantas desprendiam fragrâncias agradáveis quando eram queimadas. Desde então passaram não apenas a oferecê-las aos deuses como forma de agradecimento, mas também usá-las em seu próprio corpo.
Uma lenda romana nos conta que um dia Vênus teria ferido o dedo e que uma gota de sangue caiu sobre uma rosa. Cupido beijou a rosa e selou a alquimia, transformando o sangue de Vênus em fragrância.
Engana-se quem pensa que o uso do perfume se dá apenas por vaidadade ou para desfarçar odores indesejáveis; seu uso vai muito além, ele pode servir para expressar nossa individualidade no mundo, honrando nosso self divino.
Na magia, seus usos vai deste a fabricação de perfumes mágicos para uso cotidiano quanto a manipulação de perfumes especiais para o uso em rituais, criando ambientes especiais para os trabalhos mágicos. As fragrâncias acionam, fortalecem e harmonizam energias de diversas espécies sendo idais para uso como oferendas ou para invocar as divindades.
Atualmente também já se utiliza as fragrâncias com propósitos terapêuticos.

Fórmula básica de um perfume
Segue-se uma fórmula básica para se fazer um perfume.
Se for possível, faça sempre seus perfumes na Lua Nova. A mulher não deve preparar perfumes no seu período menstrual, pois a sua energia, o modo como ela se sente, vai passar para o perfume e este é um período de transformação.
Para um perfume de boa qualidade, devem-se usar sempre utensílios de vidro, tanto o funil, como o copo medidor. Evite os metais. As reações deles com os óleos essenciais são terríveis.


Ingredientes:
800 ml de álcool de cereais
20 ml de polipropileno glicol
30 ml de fixador de âmbar
50 ml de essência (pode ser uma combinação de várias)
100 ml de água mineral sem gás
1 vidro escuro com capacidade para 2l
1 copinho medidor para a essência
1 funil
Frascos pequenos próprios para perfume

Modo de preparo:
Coloque no vidro escuro, na ordem a seguir, com muito cuidado e suavidade: o álcool de cereais, o polipropileno glicol e o fixador de âmbar e deixe repousar por duas horas.
No copo medidor, junte as essências escolhidas até atingir a quantidade de 50 ml e coloque no vidro misturando-as rapidamente. Agite bem e deixe descansar por nove dias num local escuro sem absolutamente qualquer incidência de luz solar
Ao fim destes dias, acrescente a água mineral e agite. Deixe-o repousar por mais um dia no escuro antes de usar.
Distribua o perfume em vidros pequenos para facilitar seu manuseio e os consagre da maneira que achar mais conveniente dependendo do fim almejado.

sábado, 19 de junho de 2010

Poções: Preparo e Uso



Preparação

A forma mais básica do preparo de uma poção é fazer um ou mais chás e misturá-los ao fim, sempre visualizando os intentos sendo realizados, mas você também pode preparar um único chá com várias ervas e energiza-lo através da luz da lua, do sol ou da energia pessoal. Lembre-se que estaremos lidando com uma forma de energia, a da Terra (ervas e condimentos), mais sutil e igualmente poderosa. Se possível, colha você mesmo as ervas a serem usadas para certificar que o procedimento aconteceu com respeito e sob as condições favoráveis específicas de cada planta.

Escolha a hora, dia, fase da Lua e outras condições que julgar conveniente mais propício para o efeito desejado. Esteja atento também para o clima, uma poção de amor, por exemplo, mão teria muito poder feita num dia de chuva.

O estado de espírito do bruxo é um dos fatores mais decisivos na hora de se preparar a poção. Deixe que os sentimento se alinhem com o objetivo da poção. Se for prepara uma água de guerra, senta realmente a ameaça e a necessidade de defesa.

Se desejar, acenda uma vela (para trazer a força do Fogo) e queime óleos essenciais, um incenso ou ervas (para a limpeza astral e meditação), sempre relevantes à finalidade de suas intenções. Atente também para que o ambiente tenha a mesma vibração da poção. Uma poção de amor poderá ser mais forte quando feita num jardim, assim como poções de vingança ficariam se feitas em ambientes mórbidos.

Tente usar seus utensílios mágicos para o preparo das poções como seu caldeirão ou e sua varinha para mexer o preparado. Você também pode usar uma chaleira e uma colher de pau consagradas exclusivamente para este fim. Nunca use colheres de alumínio (se elas acabam com a energia dos alimentos, quem dirá das poções).

Atente para como você vá mexer sua poção. Mexa-a sentido deosil para poções de construção, aquisição, crescimento, expansão, etc. Mexa-a em sentido widdenshins para poções de términos, destruição, banimentos, retração, etc.

As ervas frescas não precisam ser fervidas, pois liberam suas propriedades sem precisar de fervura. No caso de ervas secas, ferva-as para despertar o seu poder adormecido pelo tempo. Jamais ferva flores frescas, pois as fadas vegetais acompanham as suas flores até que estas sequem. Quando as flores estiverem secas, pode ferver, mas lembre-se de recitar uma pequena invocação às fadas: “Que as fadas despertem a magia desta(s) flor(es)!Que assim seja e assim se faça!”

Utilização

As poções podem ser utilizadas de várias maneiras, tanto internamente como externamente.
Alguns usos comuns consistem em unção de velas, partes do corpo ou instrumentos mágicos; aplicação de massagens; utilização em limpeza espiritual e/ou psíquica e benzeduras; selar documentos; transmitir desejos, incrementar feitiços e rituais; confeccionar perfumes; misturar à comida ou bebida; etc. 

Observações:
  • Cuidado com a adição de plantas venenosas nas fórmulas;
  • Lembre-se que você e outras pessoas e possam ser alérgicas à planta utilizada;
  • Esteja sempre certo quanto às propriedades medicinais das plantas: seus efeitos no organismo incluindo seus efeitos-colaterais, indicações de uso e contraindicações.
  • O prazo e modo de manipulação devem ser levados ao pé da letra;
  • Guarde suas poções sempre em vidros com rolhas, nunca em materiais plásticos;
  • Não abuse da quantidade nunca. As quantidades indicadas para uso serão sempre suficientes para qualquer que seja o fim.

Poções: Tipos e Composição


As poções, também chamadas de elixir ou filtro, são fórmulas mágicas carregadas energeticamente para provocar um efeito específico ao serem ingeridas ou usadas exteriormente. São largamente conhecidas as poções do amor; poções de clarividência, com ervas que aumentam a intuição; poções que fortalecem o poder pessoal através de ingredientes que trazem energia e bem estar; poções de proteção que criam blindagens energéticas em torno do indivíduo e; as poções de cura para o corpo e para a alma.

A manipulação de poções é uma das atribuições mais importantes na vida de um Bruxo. Na confecção de poções unimos os conhecimentos do poder pessoal, planetário e da herbologia para um único fim, proporcionando uma melhora nas capacidades mágicas e o fortalecimento da nossa conexão com a Terra.

Tipos de Poções
As poções podem ser classificadas em diversos tipos, dependendo de sua finalidade, preparo e uso:

Ingeríveis: preparadas geralmente em forma de bebidas, seu efeito se dá pela ingestão. Sob esta categoria se encontram os elixires, chás, sucos e os pós comestíveis.

Inaláveis: preparadas geralmente em forma de perfumes e para ser usado pela pessoa que a fez ou pela pessoa que se quer encantar ou em forma de vapores aromáticos, etc. Seu efeito está em sua inalação e sua fabricação se concentra no aroma. 

Banhos: poções preparadas para ser usadas sob a forma de banho

Aspersoras: são preparadas para serem aspergidas por todo um ambiente como as águas, filtros (uma poção que preparada sem ser fervida) e os pós.

Solúveis: são altamente concentradas e podem ser diluídas em perfumes, óleos, e produtos de limpeza. As comestíveis podem se adicionadas às bebidas e comidas.

Corporais: podem ser águas de cheiro, perfumes, óleos aromáticos, etc. São usadas no corpo para se obter uma determinada finalidade ou atrair energias ou entidades específicas.

Composição
As poções geralmente são constituídas de:

Base: é um agente neutro, ou seja, vai servir de base para a poção, unindo os outros elementos sem alterá-los. No caso de poções ingeríveis (licores, xaropes, etc), é comum a utilização de água, álcool ou bebidas alcoólicas.

É desejável a utilização de água da fonte (mineral) como base para nossos preparados, mas, pode-se substituí-la por água filtrada comum em sua falta. Para poções de uso externo, a agua da chuva pode ser usada, lembrando que, dependendo da estação e do dia em que for colhida, ela terá características diferentes.

Agente ativo: é o ingrediente principal da poção e deve ser cuidadosamente escolhido de acordo com as propriedades simpáticas do objetivo. Basicamente, é o agente ativo que dará à poção o poder que desejamos como se fosse a alma da poção. Uma poção pode conter mais de um agente ativo.

Irradiador: é o elemento que vai irradiar o poder para a poção, transferindo para ela nosso poder pessoal e/ou invocando outra fonte de poder.

Geralmente utiliza-se de encantamentos e cânticos, que são lidos ou cantados sobre perto da poção. Símbolos mágicos e sigilos também podem ser traçados sobre a poção com a varinha ou a athame ou desenhados em papel vegetal com tinta nanquim e colocados dentro do vidro da poção (ou sob ela).

Potencializador: é qualquer outro elemento que pode adicionar mais poder à poção. Geralmente cristais, quando não for o agente ativo, podem ser ótimos potencializadores assim como os símbolos mágicos.